Vou ter que falar de novo: o que são Arquétipos? Eles são “ativados”?

Daltro Coutinho
Compartilhar no facebook
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin
Compartilhar no twitter
Dicas de Branding para E-commerce como começar e o que fazer em seguida

Seguinte, eu já tenho um artigo falando sobre os arquétipos, aliás, eu tenho 17 artigos falando sobre este tema. Um para cada arquétipo e um conteúdo geral falando sobre todos eles. Então, por que diabos vou fazer ainda outro texto sobre esse tema?

Por que algumas marcas, algumas pessoas e algumas empresas, estão realmente confundindo você. Estão misturando charlatanismo, com ciências sociais. E transformando o tema dos arquétipos e uma salada de confusões.

Hoje eu vou falar para você o que são arquétipos sociais confirmados. Do tipo que realmente dá certo, existem e fazem parte da psique coletiva das pessoas. Não desses arquétipos “que você ativa”. Seja lá o que isso for. 

Então, quer saber o que são os arquétipos de verdade, sem pseudociência e sem baboseiras? Vem comigo! 

Quais são os tais arquétipos de marca?

Os arquétipos de marca são conjuntos de padrões utilizados para definir detalhes sobre a personalidade da mesma e atribuir características que transmitem os valores e propósitos da marca, reforçando, assim, a imagem com que ela quer ser percebida pelo público.

A origem dessa ferramenta está na teoria de arquétipos do psiquiatra e psicoterapeuta Carl Jung, que descreve 12 tipos de personalidades presentes na herança e no inconsciente coletivo.

Nos anos 80 a teoria de arquétipos ganhou destaque nos estudos de neuromarketing.

Já nos anos 2000, voltou a chamar atenção nos setores de comunicação e marketing, impulsionada pelo livro “O Herói e o Fora da Lei”, de Carol S. Pearson e Margaret Mark.

Dicas de Branding para E-commerce como começar e o que fazer em seguida

Como as marcas usam os arquétipos como posicionamento?

Branding e publicidade são tão importantes ao serem contratados quanto para abrir a empresa.

Essas disciplinas se baseiam na confiança, no contexto e na compreensão do futuro, combinados com uma afinidade com dados e comportamento do consumidor.

Cada marca eventualmente descobre a necessidade de uma personalidade e uma voz.

A forma como sua marca se comunica dentro e fora da Internet é o ponto de contato mais importante.

Dependendo do profissional de estratégia e marketing que você questionar, muitos dirão até que o recall é mais importante do que a venda, que pode acontecer mais cedo ou mais tarde.

Cada marca eventualmente descobre a necessidade de uma personalidade e uma voz. 

As marcas de hoje são cada vez mais definidas por suas interações e relacionamentos.

Os clientes estão exigindo maior responsabilidade e integridade das empresas

Os trabalhadores anseiam por um sentido mais profundo de significado em suas carreiras. 

E as empresas estão continuamente buscando maneiras de atingir compromissos de marca mais poderosos e ressonantes.

A aplicação dos fenômenos da sabedoria arquetípica possibilitam uma maneira mais autêntica, holística e humana de estar nos negócios.​

Quando a diferenciação, lealdade e sustentabilidade dos resultados financeiros importam, os arquétipos importam. 

Esse quadro geral provavelmente estará relacionado à comunicação, pois ela direciona a mensagem, e a mensagem precisará de uma voz.

Uma voz que fala como um amigo, alguém que entende as emoções e também o orçamento, que entende a diferença entre desejo e necessidade, conforto e luxo, disponibilidade e espera.

Depois de marcar as caixas de seleção faladas, o quadro geral mais uma vez se divide em várias soluções pequenas e rápidas.

Que papos são esses de arquétipos “ativáveis”?

Eu já vou deixar algo bem claro e específico, você jamais vai conseguir ativar um arquétipo. Arquétipos são construções psicológicas, não ferramentas que você liga e desliga. Sempre que ouvir alguém falando “que ativou tal arquétipo”, saiba que a pessoa está, ou mentindo, ou sendo enganada.

Você pode sim copiar certos comportamentos arquetípicos até que esse comportamento se torne parte natural do eu modo de agir.

Seria como uma pessoa que não tem confiança começar a agir de maneira confiante, mesmo que de forma “forçada”, até que a confiança enfim faça parte da vida natural dela.

E esse foi o meu artigo sobre os arquétipos. 

Quer saber mais sobre esse tema? Então você sem dúvida está no lugar certo. Tenho diversos conteúdos que abordam esse tema. Deixei vários links ao longo da publicação, aconselho começar por esse aqui.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *